“Não vou acrescentar 2020 na minha idade. Nem usei”

Você com certeza recebeu e muito provavelmente repassou esta piada de tempos de pandemia.

Pra mim, particularmente, ela não faz nenhum sentido.

Porque hoje eu completo 36 anos, mas poderia facilmente colocar 46 velinhas em cima do meu bolo de aniversário. Muitos anos se passaram em 2020 pra mim.

Saio dele meio rouca, com a coluna levemente curvada e fios de cabelo branco que não existiam há 365 dias, além de uma ruga saliente entre as sobrancelhas, resultado de tanto franzir a testa e pensar: “mas que porr@ é essa?”.

Não vou escrever aqui um texto sobre os aprendizados de 2020, nem sobre conquistas e realizações ou projetos e esperança em dias melhores e tudo isso que estamos exaustos de ler a cada começo de ano.

Só quero desejar pra mim – e pra ti também, de coração – que nossos olhos não vejam só o que há de horrível, triste e desesperador no mundo. Que possamos enxergar também o bonito e o delicado, o suave e o sutil; o que às vezes está tão perto que nossas mãos nem conseguem tocar.

Que nossos ouvidos não ouçam só a merda que tantos regurgitam com orgulho e convicção. Que possamos escutar também o silêncio, o canto, o ruído, o rumor, o sussurro; o David Bowie.

Que nossa boca não experimente só o amargo e o ácido; mas o tempero, o doce, o néctar, o picante, o beijo.

Que nossos pés não caminhem só na aridez e no asfalto quente; mas na grama, na areia fininha e fofa, na poça de água que a chuva deixou.

Que nossa voz não só esbraveje, reze e repita, mas também cante, recite poesias e até aprenda a calar, quando simplesmente não vale a pena.

Que possamos não mais nos assustar e sofrer e morrer um pouquinho cada vez que uma máscara cai diante de nós, mostrando que o rosto amigo, na verdade, é hostil.

Que eles não consigam arrancar de nós o que nos torna diferente deles.

Que neste ano se passe somente um ano, e não dez.

Olá 2021.

Olá 36º ano de vida.

Na boa, não sei se estou pronta para vocês, acho até que não, mas que eu continuo aqui, e de pé, isso eu continuo. 



Postagens mais visitadas deste blog

11 de setembro

Amanhã será um grande dia!

Os corruptos originais