Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2021

Hoje meu pai completa 70 anos

Imagem
Eu poderia escrever muitas coisas sobre este cara que eu chamo de pai e que a maioria das pessoas chama de Sergião. Poderia falar sobre sua gentileza quase patológica e sobre como está sempre disposto a ajudar – até quem não deveria. Poderia mencionar sua sensibilidade, que ele tenta disfarçar. Mas seus olhos brilham e se enchem toda vez que ele escuta uma história bonita, uma música antiga ou um poema sobre cachorros. Poderia escrever um texto de mil páginas listando tudo o que meu pai já fez e ainda faz por mim, por nós, por quem ele quer bem e até por quem nem conhece. Sobre o quanto tocou e transformou a vida de tanta gente além dos muros do nosso quintal. Só que não. Eu não vou escrever sobre tudo isso e tanto mais. Porque hoje quero agradecer por algo que só me liguei depois de crescer: a minha infância. Uma das fases mais importantes de nossas vidas; aquela que assenta a base de quem seremos amanhã. A infância que eu tive, todas as crianças do mundo deveriam ter.

Esperança é seu nome

  Ainda estava escuro quando saí de casa perto das 7h da manhã do dia 9 de julho de 2021. Meu destino: a Acapesu, o local onde ocorria a vacinação para pessoas a partir de 36 anos aqui em Carazinho. Na noite anterior, dormi e sonhei que me vacinava. Quando acordei, não era sonho. A minha vez finalmente chegou! Os portões seriam abertos às 8h e eu queria me garantir, por isso fui uma hora antes. Devia ter umas 50 pessoas na minha frente. Cheguei, peguei meu lugar na fila e ali fiquei, não acreditando que era verdade. Sorte que eu usava máscara, ou as pessoas em volta se perguntariam por que raios aquela louca estava rindo sozinha. Era impossível não rir. Minha boca sorria involuntariamente. Foi quando começou a amanhecer. No horizonte, o alaranjado do sol anunciava um dia bonito. Eu, que agora tenho mania de poeta e enxergo versos até onde não têm, não consegui não ver a simbologia daquele momento. Não era só o dia que amanhecia. Eu amanhecia também. Um sentimento que há muito n

Conjugue o verbo vacinar

Eu me vacino Tu te vacinas Ele se vacina Nós nos vacinamos Vós vos vacinais Eles se vacinam   E assim o viajante volta a viajar O comerciante volta a negociar Os amantes voltam a se amar O visitante volta a visitar O restaurante, a festa e o bar? Pode voltar a frequentar! Quem é da reza, volta a rezar diante do altar O estudante, para a escola, pode retornar O hospital, agonizante, agora vai esvaziar Ninguém ofegante; o ar não vai mais faltar Pela praça, o caminhante volta a caminhar No estádio, como era antes, o torcedor poderá entrar Nossos braços, tão distantes, voltam a se abraçar Nossos lábios, neste instante, voltam a se beijar Nossas mãos, hesitantes, voltam a se tocar Agora já dá pra olhar adiante e ver uma luz brilhar   Mas se eu não me vacinar Ou tu ou ele ou nós, vós e eles – se este verbo a gente não conjugar Aí, meu filho, não vai adiantar reclamar Porque, sem vacina, a vida como você conhecia nunca mais vai voltar.