Fica em casa, cristão!


Dentre as muitas coisas que eu não entendo – e agora, mais do que nunca, são tantas! – uma delas é sobre reabrir igrejas, templos e centros religiosos justamente agora, em que o Brasil atinge a ingloriosa marca de quase meio milhão de infectados e chega perto dos 30 mil mortos por coronavírus, afora as subnotificações.
Se Deus, afinal, é realmente onisciente (tudo sabe), onipresente (em tudo está) e onipotente (tudo pode), como garantem os crentes, então me parece totalmente possível rezar e se conectar com Ele dentro de sua casa.
Ou não?
Dentro de sua casa é possível acompanhar cultos, palestras, bênçãos e pregações, já que muitos líderes religiosos conscientes (sim, eles existem!) estão cuidando de seus fiéis à distância.
Dentro de sua casa também dá para ler a Bíblia, o Evangelho, o Alcorão, os romances espíritas da Zíbia Gasparetto ou qualquer livro que professe sua fé.
De dentro de sua casa é possível até ajudar quem mais precisa – não tem uma parada sobre “fora da caridade não há salvação”?
Ame ao próximo como a ti mesmo, foi mais ou menos o que disse um sujeito bem querido, porém com um fã-clube medonho, chamado, se não me engano, Jesus Cristo.
Neste momento, durante uma pandemia global que está prestes a colocar de joelhos nosso sistema de saúde; em que enfrentamos um vírus altamente mortal e contagioso que não conhecemos e para o qual não possuímos remédio, cura ou vacina; enquanto profissionais da saúde morrem dias depois de gravar um vídeo suplicando por isolamento; não há jeito melhor e mais eficiente de amar ao próximo e a ti mesmo do que ficando em casa o máximo de tempo possível.
Sair de casa para se aglomerar em igrejas, templos e centros religiosos, em nome de Deus e de sua fé, é uma contradição bizarra de quem se julga cristão.
Porque neste momento, eu duvido que exista oração mais poderosa do que ficar em casa.

Postagens mais visitadas deste blog

11 de setembro

Amanhã será um grande dia!

Os corruptos originais